Página Inicial Análise/Crítica Dragon Ball Z: Kakarot – Análise

Dragon Ball Z: Kakarot – Análise

por Tiago Damião
Dragon Ball Z

Dragon Ball Z foi dos primeiros animes que vi. Fiquei rendido ao tipo de história e às batalhas cheias de ação. Após tantos jogos de luta de Dragon Ball, estaria na altura de sair um RPG de aventura, e eis que surgiu a minha oportunidade com Dragon Ball Z: Kakarot.

História

O jogo segue Son Goku e o seu grupo de amigos através das suas aventuras na série Z, desde a invasão dos Sayajins até ao Majin Buu. Para aqueles que já seguem o franchise desde crianças, as sagas são as mesmas que já viram na série de animação e podes escolher opção de falas em Inglês ou Japonês, sendo que nada foi alterado, tornando esta experiência perfeita para os fãs.

Uma das batalhas de Trunks do Futuro.

Ao longo do jogo, podes jogar com personagens como Goku, Gohan, Vegeta, Picollo entre muitos outros, defendendo a terra do mal intergalático. As batalhas são muito semelhantes aos jogos anteriores, na qual tens uma arena, podes voar, aumentar o teu KI e esquivares-te de ataques dos inimigos. Todos os personagens têm uma lista de ataques e transformações disponíveis e à medida que avanças na história vais desbloqueando mais opções de combate através das batalhas de treino.

Por cada personagem que derrotares vais subir de nível a ganharás Z-Orbs para poderes aprimorar os teus poderes na Árvores das Habilidades. Proveniente de outros jogos RPG, a árvore de habilidades permite ativar ataques especiais ou ganhar buffs, como atordoar inimigos, ou aumentar o poder perante oponentes de nível mais alto. Para desbloqueares tudo, precisas de enfrentar todos os inimigos e colecionares as variadíssimas orbs disponíveis por todo o mapa.

O mundo

Este mundo tem uma sensação diferente de “Dragon Ball”, mas todo o estilo de Akira Toryiama está presente no jogo, desde as casas em forma de cápsula aos dinossauros, enquanto fã isto foi uma prenda fantástica. O mundo está repleto de sítios para explorar e side-quests bem interessantes, uns provenientes do anime, como o episódio da carta de condução, enquanto outros são novos.

Vegeta no mapa do mundo.

Sempre que encontras rostos familiares, reúnes Emblemas de Alma. Eles são colocados em quadros comunitários, que são usados de várias maneiras. Por exemplos, o tabuleiro dos Z-Fighters oferecem bónus de combate enquanto o tabuleiro de Deus oferece bónus aos poderes sobrenaturais. Os personagens que têm um bom relacionamento entre si precisam de ser colocados próximos uns dos outros para que os painéis sejam alimentados com eficiência.

Na maioria dos jogos, cozinhar pode ser uma das formas de dar vida ao jogador, mas em Dragon Ball Z: Kakarot, não só cura a vida como é fundamental para dar diferentes boosts. O jogador pode apanhar peixes, carne de dinossauros e maçãs. Este processo é muito importante para ganhar experiência se realmente quiseres acompanhar os teus inimigos. Além das refeições em fogueira, também podes reunir ingredientes para uma refeição completa feita pela esposa de Son Goku, a Chi-Chi.

Se ainda quiseres forma de aumentar a tua força podes tentar reunir as Dragon Balls que estão localizadas em diversos lugares de todo o mundo. Quando as 7 bolas são reunidas, recebes um desejo do dragão Shenlong (como no anime), e podes pedir desejos relacionados com as Z-orbs, dinheiro, reviver inimigos derrotados, etc.

Emblemas da Alma.

Este conteúdo “opcional” é uma forma de melhorares as tuas estatísticas, pois à medida que a história avança, os inimigos ficam também mais difíceis. Se o jogador aproveitar todos os side-quests podes obter items incríveis, portanto é aconselhável fazeres tudo desde o início.

Para completar ainda mais o jogo tens a enciclopédia Z. Factos interessantes sobre personagens, músicas, e fluxogramas que mostram os relacionamentos dos personagens, este é capaz de ser um dos recursos mais interessantes do jogo.

Post-Game

Depois de terminar a história, tens ainda um post-game para todos os jogadores mais dedicados, com vilões bem mais fortes. Contudo, um dos problemas deste jogo tem a ver com o seu ritmo lento. As janelas de loading são incrivelmente longas, e sempre que mudas de cidade aparece-te uma e mais tempo de espera. Nem todas as cutscenes são apresentadas no jogo, ou seja, nem tudo o que aparece no anime é como está neste jogo. Nota-se claramente que eles deixaram algumas pequenas partes para trás, para não ocupar ainda mais espaço. Queixas de lado, Dragon Ball Z: Kakarot é sem dúvida um excelente jogo de Dragon Ball, contudo podia ser melhor. Para a dimensão do marketing que foi feito, podia apresentar melhores animações nas cutscenes, e um sistema de batalha bem melhor. Mas de resto, não há nada a apontar de negativo, já que apresenta uma banda sonora incrível, e um mundo gigante para explorar que relembra os tempos de Dragon Ball Online. É um jogo em que não apresenta uma história nova, nem algo “novo”, mas sim um jogo para te fazer imergir no mundo de Dragon Ball Z e recordares todas as histórias que viste do anime.

Related Articles

Deixa um comentário