Página Inicial Análise/Crítica Into a Dream – Demo

Into a Dream – Demo

por Biaka Myuzu
Primeiros passos em Into a Dream

Atreves-te a explorar a psique do outro?

Into a Dream, criado pela equipa de um homem apenas com o mesmo nome, é um indie português que está a ser desenvolvido por Filipe Thomaz.

O jogo irá estar disponível para Mac e Windows, especificamente na plataforma da Steam e VoxPop Games, uma nova plataforma indie que vai ser fundada nos próximos meses.

Into a Dream é um jogo com perspetiva 2D em que jogamos no papel de John Stevens, um especialista enviado para “investigar” a mente de Luke Williams, que sofre de depressão, tentando assim compreendê-lo e ajudá-lo a iniciar o tratamento.

Tive a oportunidade de jogar a demo no seu dia de estreia, e a mesma encontra-se disponível na página de Into a Dream da Itch.io.

Exploração dos cenários em Into a Dream

Apreciação de Into a Dream

A demo de Into a Dream começa nos primeiros minutos do jogo completo, daquilo que pude perceber. John Stevens está a tentar ambientar-se ao ao cenário pouco familiar, enquanto tenta perceber quem é e o que tem de fazer.

Após um pequeno passeio pelo cenário, John tem a oportunidade de ter contacto com Luke Williams e a sua filha. Apesar de retratar um tempo onde Luke vivia momentos de paz e mais felizes, rapidamente o cenário se transforma e fica mais agreste. Após uma breve conversa com a mulher de Luke, o jogador percebe que o estado mental de Luke poderá ter-se deteriorado, e quando tenta procurá-lo, a demo termina com um pensamento a quebrar a quarta parede por parte de John que indica o final da demo.

Apesar de a história prometer ser interessante, sinto que precisava de ver mais para me sentir mais intrigada. No entanto, saímos da demo com a sensação de “saber a pouco” no bom sentido: sem dúvida que uma demo não deve de ser demasiado reveladora, e deve espicaçar a curiosidade do jogador para querer jogar o produto completo. Assim, Into a Dream deixa-me curiosa para descobrir qual a direção que a história irá tomar.

Um dos primeiros diálogos com escolhas.

Em relação aos comandos e jogabilidade, os mesmos são intuitivos e simples. Sendo o jogo numa perspetiva 2D, o jogador não tem de se preocupar com ângulos de câmara. No entanto, da mesma forma que fornecem um pequeno tutorial para o uso de “C” como botão de interação, era bom ter um menu de comandos para indicar o “Shift” para correr, por exemplo.

Também percebi que o jogo tem pontos de gravação automáticos, o que sem dúvida ajuda bastante na progressão. Contudo, não percebi o porquê da existência de um botão de save manual, tendo em conta que a funcionalidade automática era tão eficaz e prática.

Gostei bastante do aspeto geral do jogo, fôsse nas personagens ou nos cenários. O voice acting presente também está bastante bom, assim como a música, que apesar de simples, permite acompanhar bem a aventura que retrata, funcionando muito bem.

O jogo possui também escolhas de diálogo, que não sei se poderão influenciar nos resultados finais ou endings diferentes. Existe inclusive um ponto onde podemos escolher entre explorar a casa de Luke ou respeitar a privacidade dele, e fico curiosa em saber se isso poderá afetar momentos ou escolhas futuras.

Assim, Into a Dream é um jogo que recomendo que dêem uma vista de olhos. Com gráficos apelativos, a sua premissa promete uma viagem emocional que não será recomendada aos fãs de jogos carregados de ação, mas que não deve ser ignorada por todos aqueles que apreciem um jogo com um pacing mais relaxado.

Related Articles

Deixa um comentário